Advertisements

Ídolo da década de 80, Careca relembra o seu tempo com a camisa tricolor e comenta sobre a atual fase do SPFC

Careca, mesmo com os seus 57 anos, certamente renderia mais do que qualquer um no time atual (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Em entrevista ao programa “No Ar com André Henning”, do Esporte Interativo, Careca falou algumas verdades e que até parecem simples, mas que para as últimas diretorias não existem. Como achar que a troca de técnico é a solução para uma fase ruim, o que todos sabem e é comprovado por dados: a troca só piora a situação. “Não é de agora, e o problema não é o treinador”, disse Careca, que defendeu Dorival e queria ele com mais oportunidades no São Paulo, apesar de alguns erros. “Achei cedo demais (a saída de Dorival)”.

Já sobre as contratações para 2018, como Diego Souza (NÃO É CENTROAVANTE.) e Nenê, o melhor companheiro de ataque de Maradona disse que são pontuais e “vieram para somar, não para resolver”, além de criticar o clube que tem uma baita estrutura e não forma grandes jogadores.

Sendo um ídolo e que tem algumas presenças nos treinos e jogos, ele quer uma maior integração com os ex-atletas mas confirma que com Raí, Ricardo Rocha e Lugano, ídolos e atuais membros da diretoria, o clima é melhor e que pode acontecer as mudanças pelo fato de conhecerem o peso da camisa, conhecerem o que é o São Paulo F.C. “Só querem o bem” e completa: “Os que chegam tem que se adaptar a esse gigante que é o São Paulo”

Confira a entrevista, ele fala isso  do minuto 03 até o minuto 11:

Careca, jogando pelo Tricolor Paulista, foi campeão paulista em 85 (artilheiro), brasileiro em 86 (artilheiro) e novamente paulista em 87. Entre 1983 e 1987 jogou 191 jogos e fez 115 gols. Os números comprovam o grande jogador que foi. Saudades de um jogador como esse, torcedor?

Advertisements

Deixe uma resposta