Diego Souza recebe a camisa 9, deixa sua posição para Dorival decidir e exalta Raí: “Minha escolha foi uma conversa que tive com Raí, um atleta fora de série, um ídolo”

Diego Souza recebe a camisa 9 e enaltece Raí. (Foto: ESPN)

O São Paulo apresentou nesta quinta-feira (11), a contratação mais ‘badalada’ desta janela por enquanto, o Diego Souza que recebeu a camisa 9 das mãos do Raí.

Começando a coletiva de apresentação, Raí falou sobre a contratação e frisou que foca em ter um “grupo ambicioso não só nas pretensões, mas também na qualidade de jogo”.

Sonho do São Paulo em outras janelas, Diego Souza chegou no São Paulo com 32 anos e disse que para ele não é surpresa estar em bom nível, cobiçado por grandes clubes e de ter chances de jogar a Copa do Mundo. E revelou a escolha pelo São Paulo, “A escolha sem dúvida pela história, uma equipe que está sempre brigando por todos os campeonatos que disputa.”

Minha escolha foi uma conversa que tive com Raí, um atleta fora de série, um ídolo que viveu tudo que um profissional pode viver no futebol. Campeão do mundo e com a experiência que ele teve. Conversamos muito. Passei meus objetivos de carreira, trocamos ideias e isso ajudou muito para estar aqui hoje. A confiança que me passou, a felicidade que fiquei de poder vir para cá. Tudo isso possibilitou a proposta. Todos sabem do carinho que tenho pelo Sport, família adaptada, cidade maravilhosa, mas chega um ponto que tem de tomar decisão. Tenho objetivo de jogar a Copa do Mundo, mas o principal é estar aqui de corpo e alma, ajudando a buscar títulos que é tradição do São Paulo”, disse Diego Souza.

Diego Souza recebeu a camisa 9 e aparentemente jogará no lugar do Lucas Pratto, ou seja de centroavante, onde atuou na seleção brasileira algumas vezes e também no Sport, mas o atleta disse “O Dorival já me conhece, já trabalhei com ele, e eu não estou preocupado em jogar de 9, 10, pelo lado, quero jogar, quero estar bem  e ajudar da melhor maneira possível”, também deixou claro que cada um tem sua característica, por isso nem considera substituto do Pratto, voltando a frisar que tanto de 9 como de 10, ele está adaptado.

O atleta também falou sobre a pressão que vive o São Paulo, mas também citou que a equipe brigou por uma vaga na Libertadores até a última rodada, e relatou que o objetivo desse ano é organizar o time rapidamente e brigar por títulos.

Sem Lugano, Hernanes e Pratto, o São Paulo perdeu reverências para capitão, e com experiência Diego Souza pode vir a ser o líder da equipe, disse que vem para ajudar os companheiros, os mais jovens, mas citou a faixa de capitão como relativo.

Com muitas mudanças de clube na carreira, o meio-campista de origem já passou por Fluminense, Flamengo, Grêmio, Atlético-MG, Vasco, Palmeiras, Cruzeiro e Sport, além do Benfica, um clube ucraniano e um da Ásia, Diego explicou que foram “questões de oportunidade” e também citou que seu passe era de uma empresa, portanto eles tinha percentual de venda, mas deixou claro que agora está mais tranquilo.

Sobre a vinda do Scarpa, no qual teve um pequeno contato em 2016 no seu retorno ao Fluminense, e deu sua opinião sobre o provável reforço são-paulino:  “Não tive contato com Scarpa. Ele foi na volta que tive para o Fluminense: foi pouco tempo. É amigo mas não tive contato. Grande atleta e jogador, sem dúvida vocês falando que eu tenho de fazer gol, é um cara que ajudaria bastante”, na sua segunda passagem pelo Fluminense, Diego só atuou 9 vezes.

Em seguida, Diego Souza falou sobre outro ex-companheiro, mas esse que já reencontrou no São Paulo, o zagueiro Anderson Martins, ambos viveram bons momentos no Vasco em 2011: “Ajuda muito na saída de bola, é um craque, faz a bola chegar redonda na frente.”

Perto de um retorno para o Palmeiras no meio de 2017, Diego Souza explicou que por ser meio de temporada era uma negociação difícil, e ele disse que tinha dúvidas se queria sair do Sport, mas ressaltou que a conversa com o Raí fez ele acreditar no projeto são-paulino e deixado de lado a adaptação em Pernambuco. Aproveitou para responder sua ligação com o rival são-paulino, na qual teve uma certa identificação: “Quanto ao nosso rival, faz oito anos que saí do Palmeiras. A minha história vai existir por aquele momento, mas hoje é passado, tenho um clube de tradição e com muita ambição pra buscar os seus objetivos.”

A coletiva completa do Diego Souza:

Fábio Martins

Fábio Martins

Estudante de jornalismo, ADM do SPFC 24 Horas desde 2012 e principal responsável pelo site e redes sociais desde 2014. Twitter: @fbiomartins1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas